Artigos

Como vender mais com e-mail marketing

Tudo que você precisa saber para aumentar sua receita a partir de envios de e-mail

 

e-mail

O e-mail marketing que pode ser utilizado para manter um determinado público engajado com a marca e gerar novas vendas. Esse canal possibilita uma comunicação personalizada com o público e, não menos importante, por um baixo custo. Embora muitas pessoas ainda sejam céticas quanto ao uso do e-mail marketing para se relacionar com o público, ele é cada vez mais o canal ideal para se comunicar com leads e gerar vendas.

Veja alguns motivos para adotar o e-mail em sua estratégia de marketing digital e também dicas sobre como fazer isso da melhor forma.

 

E-mail marketing em números

O estudo Email Statistics Report, da Radicati, mostrou que o número de usuários de e-mail ultrapassou os 3 bilhões em 2019. Esse mesmo estudo aponta que, ainda em 2020, o número deve superar a faixa dos 4 bilhões. Evidente que nem todos esses usuários usam o canal para receber promoções e conteúdos variados de outras empresas, já que o e-mail também é utilizado em ambiente corporativo, por exemplo. Mesmo assim, o número de pessoas que podem ser atraídas a partir de um e-mail é considerável.

O E-mail Usage Study, realizado pela Adobe, mostrou que as pessoas passam aproximadamente cinco horas lendo emails no horário de trabalho, três delas no e-mail corporativo e duas no e-mail pessoal. Além disso, o e-mail é o canal preferido de 58% dos consumidores para receber promoções de produtos, de acordo com o estudo Adobe Consumer Email Survey. Esse levantamento colocou o e-mail na frente de redes sociais e aplicativos, por exemplo.

Três coisas que você precisa fazer para vender mais com e-mail marketing

 

1 – Criar uma base de contatos interessada no conteúdo

Se você quer fazer envios de e-mail marketing para promover a sua marca, saiba que a primeira etapa é contar com uma base de contatos própria. É importante destacar isso porque aqui na Dinamize, por exemplo, é bem comum recebermos ligações de pessoas que desejam comprar/já compraram listas de emails para fazer envios.

A compra de listas é extremamente prejudicial à reputação da sua marca. Boa parte dos endereços de e-mail que são comercializados já foram inativados pelos serviços de e-mail aos quais estão inseridos, ou seja, você vai enviar emails que não vão contar com o engajamento desejado. Por isso, crie ações para criar seu público sem recorrer à compra de listas. Desta forma, você trabalha com contatos realmente interessados no seu conteúdo, o que aumenta as chances de gerar novas vendas.

O processo para criar sua base de contatos começa com a produção de conteúdo. Ao produzir conteúdos como blog posts, publicações nas redes sociais, podcasts e webinars, você estabelece formas para ser encontrado por pessoas interessadas no conteúdo compartilhado e que, eventualmente, estejam dispostas também a comprar os produtos que oferece. Esse conteúdo pode chegar até elas a partir de uma busca simples (Google, redes sociais, agregadores de podcasts etc.) ou mesmo a partir de indicações de outras pessoas.

Esses contatos também podem chegar até você a partir da criação de anúncios. Os anúncios podem ser divulgados nas redes sociais e em buscadores como o Google, com o objetivo de direcionar os usuários para uma página específica onde eles possam informar os dados solicitados por você para receberem os envios de e-mail.

Para obter as informações necessárias para se comunicar com o público, insira formulários de cadastro nas páginas do seu site ou então criando páginas específicas para promover produtos e/ou ações e gerar novos cadastros. Com esse tipo de prática, você atrai pessoas interessadas no seu conteúdo e dá a elas a possibilidade de permanecerem em contato com a sua marca. Ainda sobre os formulários de cadastro: solicite apenas dados que ajudem você a personalizar a sua comunicação com o público.

Se você faz envios com diversas finalidades ou promove vários tipos de produtos, por exemplo, dê ao público o poder de escolher apenas o tipo de conteúdo que seja de interesse. Para fazer isso, insira nos formulários de cadastro campos referentes ao tipo de interesse de quem acessar seu site ou redes sociais. Caso sua ideia seja mandar uma newsletter sobre marketing digital, por exemplo, é importante que o usuário saiba que só vai receber esse tipo de conteúdo; o mesmo vale para envio de promoções, convites para eventos etc. A partir do momento que o contato se cadastra em um formulário para receber X e acaba recebendo Y, ele pode solicitar descadastro ou mesmo denunciar seu e-mail como Spam, pois se trata de um conteúdo que ele não solicitou.

 

2 – Conheça o seu público

Além de criar a sua base de contatos, é importante segmentar o público para fazer envios personalizados. Com o auxílio de uma plataforma de e-mail, você identifica características do seu público e utiliza informações cadastrais deles para criar segmentações e, consequentemente, gerar novas vendas.

Conteúdo de acordo com a interação do contato -> Engajamento nos envios de e-mail, quais links inseridos na peça o usuário clicou, e até mesmo quais tipos de campanha ele participou de forma mais ativa são alguns exemplos que podem ser analisados. Algumas plataformas também possibilitam a análise da interação do contato no seu site depois do envio de e-mail. Esse tipo de verificação auxilia você a identificar os tipos de mensagem que geram mais engajamento e, no caso de envios com vários produtos, os itens que mais interessam aos contatos.

Conteúdo de acordo com dados cadastrais dos contatos -> Informações obtidas no momento em que o usuário se cadastra em seus formulários ou dados atualizados posteriormente podem ser utilizados para qualificar os envios de e-mail. Dados como produtos de interesse, profissão ou mesmo e cidade ou estado dos contatos são exemplos do que você pode usar para segmentar o público e produzir emails personalizados de acordo com as preferências identificadas.

Analisando a sua base de contatos, você consegue identificar os contatos estão mais próximos de se tornarem clientes e criar envios de e-mail focados na venda. As opções de segmentação também podem ser utilizadas para saber quais são os contatos com menos engajamento, o que facilita a criação de ações de reengajamento para essa parcela do público. Como esses são processos um tanto quanto cansativos, as plataformas de e-mail contam com a opção de automatizar esse tipo de verificação e definir qual ação será realizada depois que um usuário engajado for identificado.

 

3 – Otimize o conteúdo do e-mail

Além de criar e segmentar a sua base de contatos, é preciso trabalhar em um conteúdo de qualidade para a peça de e-mail. Afinal, de nada adianta atrair o público para mandar um e-mail que não seja objetivo e que, principalmente, não resolva os problemas dele.

Crie assunto e preheader que provoquem o interesse do usuário. Esses dois itens serão os primeiros que o usuário terá contato. E podem também ser os últimos. Para evitar que isso aconteça, pense em frases que gerem um impacto positivo no usuário, que apresentem os benefícios que ele pode ganhar ao ler o e-mail.

Pense nos dispositivos móveis. Produzir conteúdo que seja visualizado da melhor forma no mobile é uma das necessidades básicas de quem trabalha com e-mail marketing. A Adobe conversou com consumidores para entender melhor o comportamento deles quando o assunto é e-mail e, com esse estudo, souberam que 85% do público usa o celular para verificar a caixa de entrada diariamente. Dessa parcela, 65% verifica emails pessoas e 43% olha os emails de trabalho pelo celular. Por isso, é importante ter a certeza que o e-mail que você está criando será exibido em dispositivos móveis sem nenhum problema de visualização ou carregamento.

Equilíbrio entre imagem e texto na peça de e-mail. Os provedores de e-mail, responsáveis por analisar o conteúdo dos emails e definir se eles serão considerados ou não Spam, verificam o texto da mensagem para fazer essa definição. Ou seja: um e-mail composto por uma única imagem e sem nenhum texto tem grandes chances de ser classificado como Spam. A plataforma SpamAssassin, que é utilizada como um filtro contra o envio de Spam, recomenda que o conteúdo do e-mail seja composto por, aproximadamente, 60% de texto e 40% de imagens.
Mantenha o usuário mais tempo engajado com a sua marca. Digamos que o seu envio foi visualizado por um número considerável, mas ele não tinha nenhum tipo de link que levasse o usuário para seu site ou mesmo para as redes sociais. Não faz muito sentido perder a oportunidade de gerar mais acessos para o seu site ou aumentar seu número de seguidores, concorda? Se você considera fazer envios para vender produtos ou promover eventos, por exemplo, insira links na peça de e-mail para que o usuário possa saber mais informações sobre o conteúdo apresentado no e-mail e, se for o caso, concluir a compra.

Faça testes. Antes de sair enviando seus comunicados, lembre-se de fazer alguns testes para saber se o conteúdo está de acordo com o planejado e, principalmente, sendo exibido de forma adequada. Teste o seu envio no maior número de dispositivos para garantir a responsividade do conteúdo e também para fazer uma revisão final do texto e das imagens selecionadas.

Utilizando plataformas de e-mail, você cria toda uma estratégia de relacionamento com base no canal mais rentável do mercado. Se você ainda não utiliza uma plataforma, mas se interessa por adotar uma comunicação por e-mail, considere pesquisar as opções disponíveis no mercado para aumentar as suas vendas e manter o público fidelizado com a sua marca.

Caroline Gomes

Especialista em E-mail Marketing e Entregabilidade de Email, trabalha a mais de 7 anos diretamente com a implementação de softwares de e-mail marketing e automação de marketing digital na empresa Dinamize em Porto Alegre-RS. Formada na área de Engenharia da Computação, extensão em Business realizado na University of California, Riverside (UCR). Com mais de 3 anos de atuação na IBM (USA e Argentina) como Software Consulting em projetos para empresas como American Express e Cargill, entre outros projetos.

Comentários